25 anos de História dos Índios no Brasil: balanços e perspectivas da história indígena

Centro de Estudos Ameríndios CEstA/USP
Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena CPEI/ UNICAMP

11, 12 e 13 de dezembro de 2017

Neste ano de 2017, o livro organizado por Manuela Carneiro da Cunha, História dos Índios no Brasil, completa 25 anos desde a sua publicação, em 1992. O livro foi o resultado de um projeto iniciado em 1988 e pretendia, na época, "avaliar o estado atual do conhecimento sobre história indígena e indicar direções promissoras para novas pesquisas". Não é preciso lembrar a estreita relação de tal projeto com o contexto político nacional e mesmo internacional: ele se iniciou na esteira da nova Constituição brasileira – em que, de um movimento indígena de alcance nacional, foram instaurados novos parâmetros da política do Estado com relação aos povos indígenas – e seu resultado foi publicado na forma de um livro em 1992, data não menos emblemática, em torno da qual se articularam reflexões acerca dos quinhentos anos da chegada dos europeus na América, suas consequências, seus significados.

O objetivo do encontro 25 anos de História dos Índios no Brasil: balanços e perspectivas da história indígena é, portanto, realizar um exame do desenvolvimento do campo de estudos que vem se consolidando desde a publicação do livro. A partir da agenda proposta em 1992, pretendemos identificar e mapear o caminho percorrido, o estado atual do conhecimento, assim como as novas questões que se colocam diante do cenário político contemporâneo. Trata-se de uma reunião de debate e planejamento, primeira etapa de um projeto mais amplo que pretende encaminhar, ao longo de 2018, a construção coletiva de uma renovação da agenda para a história dos índios no Brasil, a ser consolidada, até 2022, na forma de uma nova edição.

Comitê Organizador
Camila Loureiro Dias
Eduardo Natalino dos Santos
Manuela Carneiro da Cunha
Marta Rosa Amoroso

 

PROGRAMAÇÃO:

11 de dezembro de 2017

9h – ABERTURA DO EVENTO

09h15 – MESA 1 – Arqueologia
Mediador: Eduardo Natalino dos Santos

1.The Worlds of the Indigenous: Past, Present and Future – Anna C. Roosevelt (University of Illinois at Chicago)
2. O passado não é mais como era antigamente: a história antiga do Brasil 25 anos depois de História dos índios no Brasil – Eduardo Neves (Universidade de São Paulo)
3. A história de longa duração do Alto Xingu e a arqueologia do futuro – Michael Heckenberger (University of Florida)
4. Arqueologia e História dos Povos indígena no Brasil: um estudo sobre a mobilidade territorial dos Asurini do Xingu – Fabíola Andréa Silva (Universidade de São Paulo)
5. Sociedades complexas na Amazônia pré-colonial: novas abordagens – Denise Maria Cavalcante Gomes (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
12h às 13h30 – ALMOÇO

13h30 – MESA 2 – Acervos, museus e coleções
Mediadora: Sylvia Caiuby

1. Fontes da História indígena: coleções etnográficas – Lucia Hussak van Velthem (Museu Paraense Emílio Goeldi)
2. Coleções etnográficas: fontes documentais para a história das artes indígenas das Terras Baixas da América do Sul – Aristóteles Barcelos Neto (University of East Anglia)
3. Índios em Portugal: perspectivas a partir de exposições museológicas – Beatriz Gomes Rodrigues (Universidade de Lisboa)
4. Imagens Bororo: reencontro, sobrevivência e memória – Edgar Teodoro da Cunha (Universidade Estadual Paulista)
5. Arquivos do futuro: questões para a guarda de documentação recente relativa a povos indígenas – Luísa Valentini (Universidade de São Paulo)
6. A história dos índios fora do Brasil – Neil Safier (John Carter Brown Library)
16h às 16h30 – INTERVALO

16h30 – MESA 3 – Memória e territorialidade
Mediador: Eduardo Góes Neves

1. Pajés e Pearas: a construção dos coletivos Mura na Amazônia – Marta Amoroso (Universidade de São Paulo)
2. História indígena no rio Uaupés: genealogias e transformações de seus povos e paisagens – Geraldo Andrello (Universidade Federal de São Carlos), Manuel Arroyo-Kalin (University College London) e Arlindo Maia Ye'pa Masa (Tukano)
3. Perspectivas indígenas sobre o contato e o isolamento no médio Purus (Amazonas) – Karen Shiratori (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
4. Os povos Kagwahiva do sul do Amazonas: de multiplicidades a múltiplas unidades – Edmundo Antonio Peggion (Universidade Estadual Paulista/ Universidade Federal de São Carlos)

 

12 de dezembro de 2017

8h30 – MESA 4 – Agência e perspectivas dos índios
Mediador: Renato Sztutman

1. Reforma e revolução: repensando as maneiras indígenas de mudar o próprio mundo – Carlos Fausto (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
2. Protagonismo indígena e revisões historiográficas: algumas reflexões – Maria Regina Celestino de Almeida (Universidade Federal Fluminense)
3. Como povoar a história de índios: reflexões a partir da leitura da autobiografia de Álvaro Tukano – Mariana da Costa A. Petroni (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira)
4. O fim das guerras: a perspectiva xikrin sobre a pacificação e o contato – Clarice Cohn (Universidade Federal de São Carlos)
5. Sobre políticas indigenistas e políticas indígenas: propostas analíticas – Fernanda Sposito (Universidade Federal de São Paulo)

10h30 – MESA 5 – Trabalho dos índios
Mediador: Fabíola Andrea Silva

1. Escravidão e outras modalidades do trabalho indígena em São Paulo colonial: considerações e revisão historiográfica – Gustavo Velloso (Universidade de São Paulo)
2. O trabalho indígena no Brasil durante a primeira metade do século XIX: novas perspectivas de pesquisa – André Roberto de A. Machado (Universidade Federal de São Paulo)
3. A persistência do aviamento: colonialismo e história indígena no Noroeste Amazônico – Márcio Meira (Museu Paraense Emilio Goeldi)
4. Trabalho e agência indígena na história colonial: um balanço historiográfico – Camila Loureiro Dias (Universidade Estadual de Campinas)

12h às 13h30 – ALMOÇO

13h30 – MESA 6 – Saberes indígenas
Mediador: Pedro Cesarino

1. Línguas retomadas – Bruna Franchetto (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
2. Cultura e memória: a comunicação indígena contemporânea em perspectiva – Eliete Pereira (Universidade de São Paulo)
3. O protagonismo indígena no contexto dos saberes tradicionais e acadêmicos: a construção da história indígena em Roraima – Laiana Pereira dos Santos (Universidade Federal de Roraima)
4. Os donos das narrativas: narradores e produtores indígenas de livros no alto Rio Negro – Samir R. F. de Angelo (Universidade de São Paulo)
5. As cartas potiguaras revisitadas – Ruth Monserrat (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Bartira Barbosa (Universidade Federal de Pernambuco) e Cândida Barros (Museu Paraense Emilio Goeldi).

16h-16h30 – INTERVALO

16h30 – MESA 7 – Ensino de história indígena
Mediadora: Camila Loureiro Dias

1. História indígena na escola regular – Antonia Terra de Calazans Fernandes (Universidade de São Paulo)
2. O ensino de história indígena nas escolas não indígenas antes e após a lei n.11.645/2008– Circe Fernandes Bittencourt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)
3. Falar bem dos astecas, maias e incas é falar mal dos outros índios? – Eduardo Natalino dos Santos (Universidade de São Paulo)

13 de dezembro de 2017

09h – MESA 8 – História, memória e identidade
Mediador: José Maurício Arruti

1. Memória, identidade e língua geral da Amazônia (Nheengatú) – Sâmela Ramos da Silva (Universidade Federal do Amapá)
2. Notas sobre uma teoria kaiowá acerca das transformações dos brancos e suas relações – Diógenes Cariaga (Universidade Federal de Santa Catarina)
3. Tecendo a memória ancestral na perspectiva indígena – Márcia Mura (Universidade de São Paulo) História indígena no Baixo Tapajós e Arapiuns revisitada – Leandro Mahalem de Lima (Universidade de São Paulo)
4. Dos modos de construção da história e do evento entre os Paiter Suruí – Nicodème de Renesse (Universidade de São Paulo)
5. A história antropológica do oeste do Pará: terras e rios entre índios, indígenas e ribeirinhos – Mark Harris (University of St Andrews)

12h – 13h30 – ALMOÇO

13h30 – MESA 9 – Novas fontes
Mediadora: Beatriz Perrone-Moisés

1. Quando falam os índios: novas fontes para o estudo dos povos indígenas no Brasil – Patrícia Sampaio (Universidade Federal do Amazonas)
2. Acervos e memória xetá: "como a gente vivia" – Edilene Coffaci e Rafael Pacheco (Universidade Federal do Paraná)
3. A imbricação entre etnologia e história no estudo das fontes: o caso exemplar do Relatório Figueiredo – Izabel Missagia de Mattos (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)

15h-15h30 – INTERVALO

15h30 – MESA 10 – Relações com o Estado
Mediador: Stelio Marras

1. Povos indígenas e poder judiciário: uma reflexão a partir do caso da Terra Indígena Maró – Ib Sales Tapajós (Universidade Federal do Oeste do Pará)
2. História e direitos territoriais indígenas em Roraima: um balanço – Nádia Farage (Universidade Estadual de Campinas) e Paulo Santilli (Universidade Estadual Paulista)
3. Do "Brasil: outros 500" aos tempos sombrios do Brasil: terra, justiça e reconhecimento histórico dos índios e povos indígenas – Vânia Maria Losada Moreira (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)
4. O Estado Militar e as populações indígenas – Rochelle Foltram (Universidade Federal dos Vale do Jequitinhonha e Mucuri)

17h – MESA DE ENCERRAMENTO

Mediadora: Marta Amoroso

Manuela Carneiro da Cunha (USP/Un. Chicago),
Ailton Krenak (Núcleo de Cultura Indígena)
Joziléia Kaingang (Universidade Federal de Santa Catarina)