Seminário e exposição buscam contar "A (Longa) História da Independência" em Setembro

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin recebe nos dias 10 e 11 de setembro o seminário "Oliveira Lima e a (Longa) História Da Independência", com idealização e coordenação do diplomata e historiador André Heráclio do Rêgo. Em complemento ao seminário, haverá uma exposição para "ilustrar" e contextualizar a trajetória de Oliveira Lima e seus grandes feitos. 

"Em 2017 comemorou-se o sesquicentenário do nascimento de Manuel de Oliveira Lima, com muito poucas comemorações. Por outro lado, estamos em pleno período que antecede a comemoração do bicentenário da Independência. Pensei em unir as duas coisas, e sugeri à Biblioteca Mindlin que fosse realizado um seminário tendo por tema a contribuição de Oliveira Lima para a historiografia da independência, no âmbito do projeto 3 vezes 22", conta André.

O Seminário tem como objetivo resgatar e revalorizar a obra do diplomata e historiador pernambucano numa perspectiva de longue durée, considerando os antecedentes, o processo e as consequências da Independência do Brasil, num período, grosso modo, de 150 anos (1750-1900), coberto por diversos livros de Oliveira Lima. Na exposição, serão destaque as primeiras edições das obras assinados pelo historiador, relatos e gravuras de viajantes que vieram ao Brasil no período, manuscritos e livros da época, oriundos do acervo da Biblioteca Brasiliana Mindlin e do Instituto de Estudos Brasileiros da USP.

Oliveira Lima 

Ao longo de sua trajetória, ele escreveu sobre os antecedentes mais notáveis do processo independentista e sobre suas consequências mais duradouras. Entre esses antecedentes, destaque-se a crescente preponderância do Brasil sobre Portugal, cujo ápice se concretizou com um fato inusitado e singular da história da humanidade: a transferência da Corte portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1807, primeira vez em que um monarca europeu em funções atravessou a linha do equador.

Nascido em Pernambuco no ano de 1867, Oliveira Lima foi educado em Lisboa. O diplomata e  membro fundador da Academia Brasileira de Letras descreveu a sociedade brasileira e a portuguesa; desvendou as intrigas políticas e diplomáticas que caracterizaram o movimento da Independência e o reconhecimento do Império; deixou retratos definitivos de grandes personagens da época, a começar por dom João VI (Dom João VI no Brasil, sua obra mais reconhecida publicada em 1908); traçou, enfim, um panorama, um mural do Brasil e de Portugal no século XIX, sobretudo no período que vai de 1808 a 1834. 

Entre as consequências duradouras da Independência, destaque-se o estabelecimento no Novo Mundo de uma monarquia de características europeias, também fato único e inusitado. Segundo Oliveira Lima, essa seria uma monarquia híbrida e mestiça, adaptada ao meio tropical. Híbrida no que se refere ao equilíbrio entre tendências conservadoras e autoritárias, de um lado, e democráticas e liberais, de outro, que caracterizou o Império do Brasil, sobretudo na sua segunda fase; mestiça no que diz respeito à natureza mestiça da sociedade tropical.

A Independência, como acontecimento, conjuga-se com o processo mais amplo de formação do Estado nacional, materializado pela soberania política, econômica e cultural, tanto do ponto de vista interno, por intermédio da busca por um repertório comum, como também na perspectiva de uma afirmação da singularidade nacional perante as demais nações. Nesse contexto, Oliveira Lima é, seguramente, o grande historiador da Independência do Brasil. 

 

PROGRAMAÇÃO

PRIMEIRO DIA (10.09.2019)

9h: Abertura oficial

9h30: Conferência de abertura. Oliveira Lima e a historiografia da Independência. Carlos Guilherme Mota

11h-13h: Antecedentes da Independência: a crescente importância do Brasil e a definição das fronteiras: Alexandre de Gusmão (Secretário del Rei). Janice Teodoro, Ricardo Souza de Carvalho, Synesio Sampaio Goes

13h: Abertura da exposição Oliveira Lima e a (longa) história da Independência (Sala Multiuso – BBM/USP)

14h-16h: A consagração de uma realidade: a mudança da Corte e a fundação de um Império no Novo Mundo (Dom João VI no Brasil). Guilherme Pereira das Neves, Teresa Malatian, Nathalia Henrich

16h-18h: Entre ruptura e continuidade: o processo da Independência I – A outra independência (Comentários de Oliveira Lima à História da Revolução de 1817, de Muniz Tavares). Maria de Lourdes Viana Lyra, André Heráclio do Rêgo, George Felix Cabral de Souza

 

SEGUNDO DIA (11.09.2019)

9h-11h: Entre ruptura e continuidade: o processo da Independência II – O grito do Ipiranga (O Movimento da Independência, O Reconhecimento do Império, O papel de José Bonifácio no movimento da Independência). João Paulo Pimenta, Lucia Bastos Pereira das Neves, Guilherme de Paula Costa Santos

11h-13h: Dom Pedro, monarca em dois continentes: o Portugal brasileiro (Dom Pedro e dom Miguel – a querela da sucessão, Dom Miguel no trono). Lúcia Paschoal, Cecilia Helena de Salles Oliveira, Guilherme Freitas

14h-16h: As consequências: uma monarquia mestiça no Novo Mundo (O Império brasileiro). Paulo Roberto de Almeida, Angela Alonso, Júlio Cesar Vellozo

16h-18h: Conferência de encerramento: o legado historiográfico de Oliveira Lima. Arno Wehling

 

Comissão organizadora

André Heráclio do Rêgo

Guilherme Carvalho Souza da Rocha Freitas

Carlos Alberto de Moura Ribeiro Zeron

Alexandre Macchione Saes

 

Projeto 3x22

Ao completar o bicentenário da Independência e o centenário da Semana de Arte Moderna no ano de 2022, abre-se oportunidade para refletir e redimensionar a história da nossa formação – do Estado e da Sociedade, assim como da cultura histórica brasileira. O projeto 3 vezes 22 não será apenas a celebração de duas datas canônicas, mas uma tentativa de entrecruzar temporalidades, a saber: a Independência (1822), o Modernismo (1922) e a história do nosso tempo presente (2022). 
Assim, O projeto 3 vezes 22 vale-se do rico material conservado pela Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin para encontrar nos documentos, nos livros e nos autores esquecidos e renegados pelas vertentes dominantes de nossa historiografia as evidências, as perspectivas e as interpretações que possam contribuir para a análise de nossa história, projetando questões que possam nortear a construção de um horizonte de autonomia no plano da cultura e da ciência.
 

Serviço

Seminário "Oliveira Lima e a (Longa) História Da Independência"
Data | 10 e 11 de setembro das 9h às 18h 
Onde | Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) – Auditório István Jancsó
Rua da Biblioteca, 21, Cidade Universitária, Butantã, São Paulo – SP
O local possui acessibilidade para cadeirantes.
Quanto | Gratuito

Exposição "Oliveira Lima e a (Longa) História Da Independência"
Visitação |10 de setembro à 1 de novembro das 8h30 às 18h30 (segunda a sexta)
Onde | Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) – Sala Multiuso
Rua da Biblioteca, 21, Cidade Universitária, Butantã, São Paulo – SP
O local possui acessibilidade para cadeirantes.
Quanto | Gratuito