Gilka Machado (1893 - 1980)

Gilka Machado (Rio de Janeiro, 1893-Rio de Janeiro, 1980) tinha sangue de artista nas veias: a mãe, Thereza Christina Moniz da Costa, era atriz de teatro e de rádio-teatro; e a filha, Heros, seria bailarina consagrada e pesquisadora das danças nativas brasileiras. Além disso, sua família incluía poetas e músicos famosos. E a moça se casa com um artista: o poeta, jornalista e crítico de arte Rodolfo Machado, em 1910, que morreria dali a 13 anos, deixando a esposa com dois filhos, Heros e Hélios.

Desde criança Gilka faz versos. E com 13 anos ganha concurso pelo jornal A imprensa, quando arrebata os 3 primeiros prêmios, com poemas assinados com seu próprio nome e com pseudônimos. Mas só em 1915, aos 22 anos, publica seu primeiro livro, Cristais Partidos. Seguem-se outros, ao longo da década de 1920, como Estados d’Alma (1917), Mulher Nua (1922), Meu Glorioso Pecado (1928), Amores que mentiram, que passaram (1928).

No início dos anos de 1930 sua popularidade aumenta, ao ter poemas traduzidos para o espanhol, tanto em antologia quanto em volume com poemas só seus.

E no ano seguinte sua popularidade é testada: ganha, com grande margem de votos, um concurso promovido pela revista O malho, quando então é aclamada como a maior poetisa brasileira, selecionada entre 200 intelectuais. Em seguida viaja para a Argentina, onde é recebida com carinho pelo público leitor. Faz outras viagens ao longo da década de 1940, para os Estados Unidos e para a Europa, além das que faz pelo interior do Brasil.

Seus poemas foram também republicados em outros volumes: os dois primeiros livros, em Poesias, de 1918; e alguns, escolhidos, em Carne e Alma, de 1931, em Meu rosto, de 1947, e em Velha Poesia, de 1965, antes que as Poesias Completas ganhassem duas edições: em 1978 e em 1991.

Poderia ter sido a primeira mulher a fazer parte da Academia Brasileira de Letras quando, após mudança do estatuto que proibia o ingresso de mulheres, lhe teria sido possível candidatar-se, atendendo a convite que lhe foi dirigido por Jorge Amado e apoiado por outros acadêmicos. Mas recusou o convite. Recebeu, contudo, da Academia Brasileira de Letras, em 1979, o prêmio Machado de Assis, pela publicação do volume de suas Poesias Completas. Encerra sua carreira com o poema “Meu menino”, escrito por ocasião da morte do filho Hélios, ocorrida em 1976.

Como se pode perceber a partir dos títulos de seus livros, sua poesia se detém nas experiências de uma intimidade sensível, que manifesta, explicitamente, suas sensações, emoções e desejos eróticos. Aliás, lembre-se que em 1916 faz conferência sobre “A revelação dos perfumes”... Para expressar tais sensações, usa nos poemas um vocabulário inusitado: emprega, por exemplo, a palavra “cio”. E mostra a mulher esvaída em sensualidade, numa poesia que se constrói tanto segundo a rigidez formal de tradição parnasiana quanto dando vazão às ondas de languidez que atravessam o seu verso à moda simbolista. Daí uma reação dupla por parte do público, pois causa tanto a admiração, por parte de uns, em que se incluem as mulheres que encontram aí uma porta-voz na representação de experiências da intimidade, até então proibida, quanto a rejeição severa por parte de uma crítica moralista conservadora. Para os que a defenderam, como Henrique Pongetti, Humberto de Campos, Agrippino Grieco, foi preciso separar a Gilka dos domínios da arte (a poeta) da Gilka dos domínios da vida (mãe virtuosa), com o intuito de inocentá-la de uma sensualidade pecadora.

Mas foi justamente por essa força reivindicadora patente na mistura bem dosada de rigor formal e sensualidade ousada, que sua poesia ganhou força e até hoje permanece, enquanto marco na história de resistência à situação de alienação da mulher. Firmou-se, assim, como precursora na luta pelos direitos de acesso à representação do prazer erótico na poesia feminina brasileira.

Sugestões de leitura:

Agrippino Grieco, As poetisas do Segundo Parnasianismo. Evolução da poesia brasileira. 3ª ed. rev. Rio de Janeiro, José Olympio, 1947, pp. 93-94.

Lima Barreto, Correspondência, ativa e passiva. Obras. São Paulo, Brasiliense, 1956. t.I, v. XVI, p. 230.

Fernando Góes, O pré-modernismo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1974, pp. 259-266.

Humberto de Campos, Crítica. 2ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo/Porto Alegre, W. M. Jackson, 1945, p. 400.

Sobre o autor: 
Nadia Battela Gotlib é professora livre-docente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.